Mudanças climáticas é tema de pesquisa na UENF

Eventos extremos — A mudança do clima é um evento transnacional, cujos impactos estão desregulando economias nacionais e afetando pessoas em todos os lugares, principalmente aquelas em situação de maior vulnerabilidade nos países em desenvolvimento. Diante deste cenário, as projeções de relatórios como os do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), indicam que os eventos extremos de precipitação podem se tornar mais frequentes e intensos em muitas regiões, resultando em um aumento de riscos de desastres. No Brasil, esses eventos podem gerar alagamentos, inundações e escorregamentos mais severos e intensos, com graves consequências para a população e para o ambiente.

Monitoramento — A professora Eliane Barbosa Santos, do Laboratório de Meteorologia (LAMET), do Centro de Ciência e Tecnologia (CCT) desenvolve uma pesquisa que tem como objetivo principal caracterizar e definir padrões espaciais e temporais da potencialidade dos eventos extremos de precipitação, visando contribuir no monitoramento desses eventos e auxiliar na definição de mecanismos para gerenciá-los.

“Os eventos extremos de precipitação, que incluem as chuvas intensas e longos períodos de dias consecutivos secos, afetam de forma direta e indireta a vida econômica e social da população, com perdas agrícolas, materiais e humanas. Vale ressaltar que, no Brasil, a deficiência de disponibilidade de água é um fator particularmente crítico, pois além do abastecimento público, a maior parte da matriz energética é proveniente da geração de energia hidrelétrica”, destacou a pesquisadora.

Planejamento — Frente às mudanças climáticas, a gestão dos recursos hídricos e o planejamento de diversas atividades humanas tendem a se tornar cada vez mais dependentes da compreensão dos efeitos locais dos extremos de precipitação. “Para diminuir os transtornos e prejuízos causados por esses eventos, são de extrema importância pesquisas que estudem o comportamento desses extremos”, concluiu a professora Eliane.

Por Jane Ribeiro

Retornar à home da Revista
Fechar Menu