A busca por produção sustentável de alimentos está na Agenda da UENF

Produção sustentável — A busca pela produção sustentável de alimentos é de grande importância nos tempos atuais e na opinião do professor Fábio Cunha Coelho do Laboratório de Fitotecnia (LFIT), do Centro de Ciências e Tecnologias Agropecuárias (CCTA), para que o “Agro seja realmente Pop”, deve ter em sua essência bases ecológicas de produção, ou seja, utilizar conhecimentos que permitam entender os processos e interações entre ambientes e seres vivos.

“O equilíbrio entre os ganhos econômicos, a equidade social, a preservação ambiental e o respeito às culturas, povos e tradições deve ser levado em consideração para se alcançar a sustentabilidade. Desta forma, a atividade agrícola realmente estará a serviço da humanidade, se sua ação não resultar em danos às populações, sejam elas de humanos, como também de outros animais, plantas e outros organismos vivos e, por que não dizer, aos minerais, à água e ao ar”, destacou o professor.

Agroecologia — A Iniciação Científica desenvolvida no laboratório do professor Fábio tem atividades em diversas áreas da Agronomia. Uma delas é a Agroecologia, uma ciência transdisciplinar que propõe estudar, avaliar e redesenhar agroecossistemas, para que estes sejam mais sustentáveis.

“Nos últimos anos, a pesquisa e a extensão de nosso trabalho têm o foco em sistemas de agricultura familiar, visando formas de adubação do solo, por meio da utilização de plantas que funcionam como adubos verdes. Além disso, o aumento da biodiversidade nos cultivos agrícolas também é pesquisado, visando atingir melhoria da fertilidade dos solos, menor incidência de pragas e doenças nas plantas e aumento da resiliência econômica e social”, informou o professor.

Fertilidade do Solo — Outra informação do professor Fábio é que na adubação verde são cultivadas plantas que melhoram a fertilidade do solo. Algumas destas plantas, em associação com bactérias chamadas diazotróficas, conseguem fixar o nitrogênio atmosférico e, quando essas plantas são incorporadas ao solo, o nitrogênio fixado, assim como outros nutrientes minerais que foram absorvidos de camadas mais profundas do solo, são liberados em camadas mais superficiais do solo, adubando as culturas plantadas logo depois, ou já cultivadas de forma intercalar, em linhas de plantio próximas.

“Já foram pesquisados efeitos da adubação verde com as leguminosas: feijão de porco, crotalária, mucuna. Também pesquisamos leguminosas arbustivas e arbóreas como o guandu, a gliricídia e a canafístula. Estas duas primeiras resultaram em produtividade de milho altamente satisfatória, comparado à adubação mineral convencional. Além disto, ultimamente pesquisamos os efeitos de uma gramínea conhecida como vetiver, que tem sistema radicular muito profundo e, por isto, grande capacidade de reciclar nutrientes minerais”, ressalta o professor.

Maior produtividade — Outro ponto destacado nas pesquisas com intercultivos são as populações de plantas e combinações de espécies que possibilitem maiores produtividades agrícolas, com o mínimo de utilização de insumos externos à área agrícola de cultivo.

“Já realizamos vários trabalhos de investigação com o consórcio de milho e feijão, mas também com outras culturas. Aliado a isto, divulgamos os trabalhos por meio de encontros com a população rural e urbana em nossos projetos de extensão universitária” finaliza o pesquisador.

Por Jane Ribeiro

Retornar à home da Revista
Fechar Menu